GOVERNO PROMOVE DIÁLOGO PARA CRIAÇÃO DE PLANO PELO EMPREGO PARA AS MULHERES

A governadora em exercício, Luciana Santos, deu o pontapé inicial de um processo de escuta à sociedade, para a construção de um plano para a geração de emprego e renda para as mulheres pernambucanas. Na tarde desta segunda-feira (09), representantes do setor produtivo e do governo trocaram informações e experiências, no primeiro fórum de diálogo do Pernambuco por Elas, uma iniciativa que visa reunir propostas e esforços pela inserção justa e cidadã das mulheres no mundo do trabalho.

“É essa escuta que vai viabilizar um projeto eficaz, que pode resultar, a princípio, em um plano de ação para gerar emprego para mulheres e, em um segundo momento, quem sabe, virar política pública. Temos uma grande maioria de mulheres no setor de serviços e uma série de profissões com marca eminentemente feminina, mas a mulher pode estar na indústria, na área de tecnologia da informação, onde ela quiser”, defendeu a governadora em exercício.

Ela lembrou que a autonomia financeira da mulher é um dos eixos para o combate à violência de gênero e ao machismo e destacou experiências exitosas, no sentido de maior equidade de gênero no ambiente de trabalho, como é o caso da Accenture, que está entre as melhores empresas para mulheres trabalharem no Brasil.

“Estamos colhendo propostas, analisando casos de sucesso e pensando iniciativas inovadoras. Vamos construir um plano para Pernambuco, que já é o Pernambuco das águas, o Pernambuco da educação e também vai virar o Pernambuco das mulheres”, disse.

A secretária da Mulher, Sílvia Cordeiro, ressaltou o papel feminino para a economia. De acordo com ela, estudos comprovam que, se as oportunidades chegassem para elas, o PIB do país quase dobraria. Apontou, por exemplo, a importância das creches para que possa haver a inclusão feminina no mundo produtivo. “Nesse momento de ultraliberalismo, potencializar a inclusão das mulheres na economia, é inovador”, afirmou.

No evento, o secretário de Planejamento e Gestão, Alexandre Rebêlo, falou sobre os investimentos prioritários do governo e avanços nas áreas de Educação, Segurança Pública, Saúde e Abastecimento de Água, que considerou vital para o desenvolvimento do Estado. Lembrou ainda iniciativas como o 13º do Bolsa Família e o Chapéu de Palha, que têm impacto direto na economia dos municípios.

O secretário de Desenvolvimento Econômico, Bruno Schwambach, falou sobre os eixos da atuação do governo, a partir de diálogos com setor privado, estímulo a cadeias produtivas, simplificação de processos e projetos de infraestrutura, como a atração de uma rede de transmissão via cabos submarinos, impulsionando a economia digital e de dados.

Entre as ações citadas pelo secretário do Trabalho, Emprego e Qualificação, Alberes Lopes, esteve a Caravana do Empreendedorismo. “Reiteramos que nos colocamos à disposição para participar deste debate e dos fóruns de diálogo do Pernambuco por Elas e sei que ela terá outros aliados importantes nesta parceria”, colocou.

Participaram ainda o secretário de Desenvolvimento Agrário, Dilson Peixoto, o presidente da ADDiper, Roberto Abreu e Lima; além dos deputados estaduais João Paulo (PCdoB) e Waldemar Borges (PSB). Do setor produtivo, estiveram presentes representantes de entidades como Sesc, Fiepe, IEL, Senai, Senar, Femicro e Acic-Mulher, além de associações regionais.

No diálogo, além de falar das ações desenvolvidas para o fortalecimento das mulheres no mundo produtivo, sugestões e estímulos para a criação de uma rede em prol do trabalho da mulher. Representante do Sesc, Paula Lourenço destacou que a entidade na qual trabalha atende sobretudo mulheres, que são maioria no setor do comércio. Ela mencionou o apoio que o Sesc dá as mulheres, com a oferta de escolas e assistência social, e se colocou disponível para contribuir. Todas as sugestões serão sistematizadas e analisadas pelo grupo de trabalho.

A iniciativa pretende envolver todas as esferas do governo e da sociedade em um grande esforço por maior equidade no mundo do trabalho. Os próximos fóruns envolverão representantes de entidades de trabalhadores; das cadeias de Tecnologia, Cultura, Turismo, Saúde, Infraestrutura, Logística e Conhecimento.

Foto: Diego Galba/VG

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *